14.6 C
Distrito Federal
domingo, 25 julho, 2021 - 06:14 AM

Búzios proíbe festas e eventos privados com cobrança de ingressos

Medidas foram tomadas para evitar disseminação da covid-19

A prefeitura de Armação dos Búzios, na Região dos Lagos do estado do Rio de Janeiro, proibiu a realização de festas, shows e eventos privados na cidade, com a cobrança de ingressos. Em função do aumento do número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus em todo o estado, a prefeitura de Búzios publicou o Decreto Municipal 1.536, que mantém o estado de calamidade pública e proíbe a realização de eventos públicos e privados na cidade.

De acordo com informação da prefeitura de Búzios, estabelecimentos comerciais, incluindo academias, restaurantes, bares, supermercados, mercados, quiosques, quitandas e quiosques de praia podem abrir, mas devem operar com redução de 50% de sua capacidade máxima. Da mesma forma, igrejas e templos religiosos, escunas, catamarãs e táxis aquáticos, veículos de cooperativas municipais e veículos de transporte intermunicipal também deverão funcionar com a capacidade reduzida em 50%.

Hotéis, pousadas e demais meios de hospedagem podem trabalhar com 50% de sua capacidade máxima nos dias úteis e com 70% da capacidade aos sábados, domingos e feriados.

Deverá ser disponibilizado álcool 70% para clientes em todos os estabelecimentos e mantido o distanciamento social. O uso de máscara é obrigatório em espaços públicos, incluindo as praias, que estão liberadas, e privados de acesso à população. A multa para quem descumprir a regra atinge R$ 700.

Turismo

O Convention Bureau de Búzios apoiou a decisão da prefeitura de proibir festas durante o período da alta temporada, tendo em vista que o intuito é receber os turistas com muita segurança, “seguindo todos os protocolos sanitários que preparamos nos últimos meses. Somos contra aglomerações que podem disseminar a covid-19 na nossa cidade. Mas somos a favor do turismo responsável, que vai garantir que as pessoas possam aproveitar as suas férias e que a cidade ganhe com a geração de empregos depois de tantos meses difíceis”.

O Convention Bureau de Búzios avaliou que o lockdown (bloqueio total) decretado na semana passada causou muitos prejuízos. “Cerca de 30% das reservas foram canceladas, os turistas ficaram assustados. Mas estamos trabalhando para reverter esses danos. Temos certeza que Búzios é uma das cidades mais seguras para quem deseja aproveitar o verão com segurança e consciência”, manifestou a entidade.

Comércio

A Associação Comercial e Empresarial de Búzios (Aceb) estima que deverá haver queda de, pelo menos, 30% no faturamento do comércio e restaurantes em função das medidas adotadas. O vice-presidente da entidade, Rodrigo Sobral, disse entender o contexto nacional e internacional, que vem cancelando eventos que possam causar aglomeração. “A Aceb lamenta e se solidariza com as empresas do segmento pelo impacto econômico, social e financeiro. Fizemos o possível para enquadrar o importante setor dentro dos protocolos vigentes; no entanto, o aumento dos casos, a preocupação do executivo e uma parte da opinião pública acabaram pressionando para o cancelamento, que está sendo uma tendência mundial.”

A Aceb está articulando uma campanha a ser lançada na próxima semana para sensibilizar os turistas e comerciantes a fazerem a sua parte no combate à covid-19.

Rede hoteleira

Levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Estado do Rio de Janeiro (ABIH-RJ) mostra que a ocupação no interior, que já estava em 81% no início de dezembro, caiu para 69,5%. A maior queda foi registrada em Búzios, que passou de 88,75% para 57%. Angra dos Reis, na Costa Verde, também sofreu redução na ocupação de 92,37% para 87%. Apesar disso, o município continua sendo o destino mais procurado.

A ABIH-RJ observou que, na contramão da queda, destinos que fogem do circuito praiano apresentam incremento na ocupação. Caso de Itatiaia, situado na divisa entre os estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais, que passou de 90% para 95% de hospedagens reservadas, e Vassouras, no centro-sul fluminense, que evoluiu de 75,5% para 77% em relação ao último levantamento. De acordo com a ABIH-RJ, a sondagem confirma tendência de busca por destinos mais tranquilos, com menos aglomerações.

Capital

O Sindicato dos Meios de Hospedagens do Município do Rio (Hotéis Rio) admitiu que o recrudescimento da covid-19 no Brasil e no mundo levou à diminuição da ocupação hoteleira também na capital, em relação aos números apurados no início de dezembro.

O índice de reservas caiu de 58% para 53%, com a maior retração observada em Copacabana, da ordem de 25 pontos percentuais nas duas últimas semanas, passando de 63% para 38%.

No sentido inverso, o Hotéis Rio verificou que a Barra da Tijuca teve incremento de 15 pontos percentuais nas reservas, subindo de 52% para 67%. A entidade prevê que a maior demanda, este ano, ficará concentrada no público nacional, em núcleos familiares, que buscam o modelo de festas privadas que já vem sendo praticado na Barra da Tijuca, nos últimos anos.

Informações Agência Brasil.

Continue Lendo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redes Sociais

22,042FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -