- PUBLICIDADE -

O ASSUNTO É

Comunicação social no Brasil: do grotesco aos influenciadores de momento

Em episódios como o do ex-morador de rua Givaldo Alves e da recorrente fabricação de inúmeras celebridades de realities shows percebemos a constante valorização de personagens e conteúdos vazios em detrimento de produção intelectual, profissional e assuntos educativos. Mas a comunicação social de massa faz isto há muito tempo

Marcílio Souza

A valorização de conteúdos rasos, promoção de valores baseados em mercados e a fabricação de personagens ícones de momentos históricos não são práticas novas na comunicação social de massa no Brasil. Apesar de alterações nos formatos, nas linguagens e na configuração dos meios comunicativos utilizados, a comunicação de massa, mesmo com a presença da internet, ainda define padrões, modelos e tendências.

Na década de 1970, o estudioso Muniz Sodré, ligado a um importante movimento intelectual na área de comunicação da Universidade Metodista de São Paulo, publicou o livro “Comunicação do Grotesco”, três décadas depois atualizado e ampliado na obra “O Império do Grotesco”, apresentando reflexões sobre as variadas manifestações de formas aberrantes e escatológicas, o grotesco, na sociedade brasileira, especialmente nos meios de comunicação eletrônicos e nas artes.

Com o intuito de expansão e de popularização dos seus conteúdos, os meios de comunicação brasileiros, especialmente a televisão aberta, usou e abusou na oferta de programações repletas do “grotesco”, de informações e personagens que não se relacionavam ou se aprofundavam em temas de real relevância para a sociedade, especialmente do ponto de vista instrucional e educativo.

Voltando um pouco nas produções intelectuais mundo afora, em meados do século XX, estudiosos como Theodor Adorno, Max Horkheimer e Walter Benjamin, da escola de Frankfurt, na Alemanha, promoveram conceitos e abordagens teóricas sobre a Indústria Cultural, que consiste em produções artísticas e culturais padronizadas e massificadas, visando tanto a facilitação no entendimento de conteúdos quanto a própria alienação, bem como a manipulação e a dominação das massas pelas elites.

No Brasil, de ontem e de hoje, a indústria cultural estabeleceu-se e interferiu definitivamente na nossa produção midiática e artística. Foram criados diversos padrões e mecanismos de controle sobre o que é produzido e o que ganha visibilidade na sociedade. Normalmente, o que mais apareceu e ganhou espaço foram produtos e personagens insignificantes em termos da formação intelectual e educativa da população.

Nas décadas de 1980 a 2000, era comum a propagação de conteúdos pejorativos, preconceituosos e com os mais diversos esterótipos em relação a sexo, gênero, classe social, profissão, raça e cor de pele, tanto em letras de músicas, como em programas de humor, de auditório e em enredos de telenovelas. Tudo em grandes veículos de comunicação e com patrocinadores e apoio empresariais.

Apesar de nas últimas décadas ter ocorrido uma diminuição dos conteúdos preconceituosos e desrespeitadores, até por alterações nas leis, pressões sociais e as devidas criminalizações, presenciamos em larga escala a produção e veiculação do grotesco por meio da sensualização, erotização e promoção de banalidades nos variados produtos de entretenimento, nas telenovelas, em programas televisivos e radiofônicos, em plataformas da internet e nas ‘letras’ de músicas. Conteúdos carentes de boas informações e de conhecimentos refinados ainda imperam nos meios de comunicação populares, inclusive na internet e nas redes sociais.

Neste sentido, pessoas como o Givaldo Alves, sem entrar no mérito dos fatos ocorridos, bem como tantas outras figuras irrelevantes do ponto de vista de produção intelectual e artística, ganham enorme visibilidade social, fama e aspectos de celebridade. Tanto o ex-morador de rua, que já se cogita participar do programa televisivo A Fazenda, como o casal envolvido nos fatos, da noite para o dia, tornaram-se referências sociais, com muitos seguidores nas redes sociais, e passam a lucrar com a exposição e a fama.

Ainda com o advento e a expansão da Internet e das redes sociais, que alterou definitivamente os rumos e os limites da comunicação social no Brasil, percebe-se que os grandes meios de comunicação continuam pautando muitos dos assuntos que circularam na sociedade. Futilidades e celebridades fabricadas são introduzidas o tempo todo nos fluxos comunicativos. A internet e as redes sociais são catalisadoras e impulsionadoras destas pautas banais.

Apesar disto, não podemos deixar de dizer que a internet e as redes sociais também impulsionam e pautam os tradicionais meios de comunicação. Muitos assuntos e fatos hoje explodem na internet e nas redes sociais e acabam sendo abordados pelos grandes veículos. Nota-se também, que com a internet e as redes sociais ocorreu uma imensa diversificação de nichos comunicativos, hoje existem os mais diversos grupos e comunidades para uma imensidão de temas e abordagens. São ‘mundos’ paralelos, realidades independentes, com regras próprias, dentro das sociedades, de uma mesma nação ou de várias.

Neste aspecto, com a expansão da internet e das redes sociais, verifica-se tanto uma infinita possibilidade de multiplicação dos emissores como variados acréscimos nas inversões entre emissão e recepção, quando um receptor passa rapidamente para a posição de emissor, além da elevação ilimitada dos retornos, dos feedbacks aos emissores, quando estes obtém as reações do receptor à sua mensagem. Por conseguinte, os meios de comunicação e outros setores da sociedade tiveram que se adaptar a essa nova realidade.

Mesmo que muitos, especialmente os mais tradicionalistas e os que defendem os interesses dos conglomerados da grande mídia, ainda afirmam que a internet e as redes sociais deram espaços e palanques para “imbecis” e a públicos incapazes de seguir os padrões dos meios institucionalizados, verificamos, na realidade, uma maior liberdade do povo em geral em comunicar, sendo receptor e também emissor, sem os filtros, as manipulações e as imposições da grande mídia.

Hoje, e no futuro, em sociedades democráticas e sem controles estatais ou de grupos hegemônicos, com a popularização e o fácil acesso à internet e às redes sociais, que invadiram os smartphones de quase a totalidade da população, a comunicação social passou a ser totalmente difusa, sem polos ou filtros de veículos comunicativos tradicionais, apesar das ações de plataformas de algumas redes sociais no intuito de controlar o que é publicado e o volume de publicações dos usuários.

Assim, o uso da internet e das redes sociais pela população é um caminho sem volta. O povo gosta de se comunicar, de interagir e os novos meios facilitam na comunicação e na agilidade da troca de mensagens. Comunicam por meio de conteúdos diversos, por vezes inventivos e sem apelo com fatos e a realidade, mas também disseminam conhecimento e notícias. Para barrar isto, só por meio do controle da liberdade de expressão das pessoas, da interferência e mesmo da censura de poderes instituídos na sociedade. O povo e a comunicação livres dão mais trabalhos para os poderosos e os grupos que mandam e desmandam na sociedade.

Entretanto, o surgimento de novas redes sociais e mesmo a mudança de donos das já existentes podem minimizar os anseios controladores dos que comandam as atuais plataformas, que por vezes sofrem pressões e interferências de outros poderes sociais estabelecidos, quer econômicos, políticos ou de lideranças populares e de classes. O certo é que existe uma corrida desenfreada pela manutenção de poderes e o próprio controle do povo, que se apresenta mais livre de amarras e das garras dos diversos poderes tradicionais, por meio da efetividade da comunicação mais difusa.

Percebe-se, no andar da carruagem, que na atualidade vivenciamos um misto de grotesco com o extremo da indústria cultural. Os produtos e personagens desta mistura ganham maior visibilidade com a rapidez e difusão da comunicação na internet e nas redes sociais.

Em suma, não existe ingenuidade no besteirol, na indústria cultural e no grotesco. Existem sim produtores e transmissores de conteúdos e ‘moda’, sedentos por dinheiro e imposição de costumes.

Nesta lógica, é uma grande falácia afirmar que a internet e as redes sociais são as grandes responsáveis pela comunicação do grotesco e pela valorização dos produtos da indústria cultural, bem como promotoras de imbecilidade. Grandes meios de comunicação, a indústria fonográfica e de entretenimento, há muito tempo valoriza o grotesco e produtos com baixo valor informativo e educativo. A difamação da internet e das redes sociais podem ser justificativas perversas para o controle e a própria censura, velada, disfarçada ou declarada.

Além disso, tanto na internet como nas redes sócias circulam uma quantidade enorme de conteúdos bons, com elevado teor de informação e educação. A escolha do que acessar ainda é um problema, sobretudo social.

Com boa educação e treinamentos específicos, as pessoas alterarão tanto a produção como o acesso aos conteúdos disponíveis na internet, nas redes sociais e em outras esferas sociais. Uma população mais educada, em contato nas escolas e em outras instituições de ensino com informações e conhecimento amplos e aprofundados sobre os processos comunicativos, adquirirão novas posturas perante o aparato comunicativo disponível na sociedade, com prováveis ganhos no momento de selecionar, e produzir, os conteúdos.

Para a população se distanciar do “império do grotesco” e de produtos e personagens da indústria cultural, torna-se necessário uma alteração nos processos educativos. As pessoas precisam ser instruídas e treinadas para o bom uso da comunicação, bem como alertadas para o mal uso.

Quando teremos mais investimentos neste sentido? A história vai nos mostrar. Infelizmente, ainda não se percebe um movimento contundente na educação do povo para os desafios da comunicação atual, apesar de críticas e culpas infundadas. Mas precisamos, com urgência, de um processo educativo ou reeducativo.

Marcílio Souza é sociólogo e jornalista, mestre e doutor em comunicação.

- PUBLICIDADE -

Últimas

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo
Relacionadas

Com apoio de R$ 11 milhões do GDF, escolas de samba se preparam para 2023

Ações como o Edital de Apoio das Atividades Carnavalescas...

Metrô fecha neste domingo (12) para manutenção corretiva

Operação será suspensa temporariamente para troca de equipamento localizado...

Igrejas reconhecem empenho do governo em atender demandas

Padres de Taguatinga, Ceilândia e Samambaia se reúnem com...