20.6 C
Distrito Federal
quinta-feira, 24 junho, 2021 - 21:42 PM

Como se proteger em tempestades com raios, trovões e alagamentos

Dicas do Corpo de Bombeiros são para não atravessar enxurradas e nunca se abrigar debaixo de árvores

Em uma semana em que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) registrou a descarga de quase 12 mil raios no céu de Brasília, em um período de 24 horas, o Governo do Distrito Federal (GDF), por meio do Corpo de Bombeiros, orienta a população a se proteger e evitar acidentes em dias de temporais.

Entre as dicas dos Bombeiros está não ficar próximo a árvores, que podem ser atingidas por raios durante as tempestades | Foto: Paulo H. Carvalo/Agência Brasília

A exposição ao risco de um choque elétrico – já que 22% desses raios tocaram o solo – foi grande e requer atenção e cuidados mínimos para como se abrigar quando as chuvas com ventos fortes e relâmpagos te pegarem desprevenido.

A velha máxima de nunca se abrigar embaixo ou próximo a uma árvore é a principal delas. Por se tratar de uma superfície alta, principalmente em uma área de descampado, os arbustos – assim como os postes de energia – são atraentes como pontos de descargas elétricas, que se espalham e atingem quem estiver perto delas.

O raio vai sempre procurar o objeto mais alto, daí, se não for você em uma área descampada, será outro ponto como uma árvore ou poste. Em edificações com para-raios, há mais segurança, mas onde não houver esse instrumento de proteção, o risco de um acidente fatal é muito grandeTenente-coronel Sinfrônio Lopes, comandante do Grupamento de Proteção Civil do Corpo de Bombeiros

“O raio vai sempre procurar o objeto mais alto, daí, se não for você em uma área descampada, será outro ponto como uma árvore ou poste. Em edificações com para-raios, há mais segurança, mas onde não houver esse instrumento de proteção, o risco de um acidente fatal é muito grande”, alerta o comandante do Grupamento de Proteção Civil do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Sinfrônio Lopes.

O militar lembra que sombrinhas e guarda-chuvas não atraem raios, mas por estarem abertos sobre o corpo tornam-se as referências mais altas, dependendo do lugar, e podem acabar sendo o ponto de recepção da descarga elétrica. “O correto é não se expor ao temporal e buscar o abrigo mais seguro para esperar a tempestade passar”, reforça ele.

Alertas da Defesa Civil

Um hábito pouco usual, mas que pode servir para se prevenir em dias de temporais é cadastrar o seu smartphone no serviço gratuito de alertas da Defesa Civil. Basta enviar um SMS para o número 40199 tendo o CEP da sua residência ou local de referência que precise acompanhar as previsões meteorológicas. Caso a Defesa Civil considere que há algum risco iminente para a região cadastrada, uma mensagem de alerta sobre o que pode ocorrer será disparada.

E quando o assunto é a proteção dos eletrodomésticos em casa, a recomendação é desligá-los durante os temporais. Muitas vezes, porém, a chuva pode começar sem que você esteja em casa. Para isso, os chamados filtros de linha – popularmente conhecidos como “réguas” com tomadas e equipados com um fusível, varistores, capacitores e indutores, impedem a descarga de energia diretamente nos equipamentos. Essas peças, certificadas e originais, podem ser encontradas em lojas especializadas com preços médios a partir de R$ 50.

Dirigir na tempestade

Algumas dicas também valem quando se é pego desprevenido dirigindo em um temporal. O ideal é parar o carro em um local e esperar a tempestade passar. Enquanto isso não for possível, manter a distância segura do veículo da frente, para evitar colisões em freadas inesperadas, é fundamental. O uso dos faróis baixos e a redução gradual da velocidade para não perder o controle do veículo em caso de aquaplanagem é importante, assim como evitar as ultrapassagens. Trechos alagados não devem ser atravessados.

Por ainda estarmos no verão, as oscilações de dias ensolarados e chuvosos é constante, assim como a procura por recreações em rios e cachoeiras. Os riscos de trombas d’águas aumentam, daí a importância de manter em margens seguras, observando a movimentação das águas e se distanciar de pontos onde o desague repentino ocorra e o pegue desprevenido.

Informações Agência Brasília.

Continue Lendo

Redes Sociais

22,042FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -