- PUBLICIDADE -

O ASSUNTO É

#TBT: relembre a história dos blocos de Carnaval em Brasília

O ano de 1961 é reconhecido oficialmente como a data o da primeira comemoração carnavalesca de Brasília com o apoio do governo, a Folia do Momo. Mas, antes disso, há registros históricos que mostram festas de Carnaval de caráter popular significativas na Cidade Livre, especificamente na Travessa Dom Bosco.

A Agência Brasília transporta você ao passado, lembrando o surgimento dos primeiros blocos da capital, em mais uma matéria da série especial #TBTdoDF, que utiliza a sigla em inglês de throwback thursday (em tradução livre, quinta-feira de retrocesso) para relembrar fatos marcantes da nossa cidade.

Onde há gente, há Carnaval

Quem estava em Brasília durante os primeiros carnavais aproveitava para matar a saudade das cidades de origem | Fotos: Divulgação/ Arquivo Público do DF

Desde o período da formação de Brasília, entre 1958 e 1960, as festas de Carnaval eram realizadas nas localidades que ainda estavam em construção. Registros históricos com relatos orais de pioneiros da cidade narram a realização de animados eventos nos salões dos acampamentos e no Brasília Palace Hotel.

Outros locais também eram refúgios carnavalescos, como a Travessa Dom Bosco e as boates da Cidade Livre, atual Núcleo Bandeirante. Até mesmo o Teatro Nacional, então em construção, serviu como palco para as celebrações momescas. Ademais, trabalhadores entusiasmados compartilham experiências organizando participações festivas em Luziânia e Planaltina.

“Nós podemos considerar que o Carnaval surge juntamente com as pessoas que vêm para Brasília; é uma história que está profundamente ligada às migrações, imigrações vindas de todos os lugares do Brasil”
Cristiane de Assis Portela, professora da UnB

“Nós podemos considerar que o Carnaval surge juntamente com as pessoas que vêm para Brasília é um uma história que está profundamente ligada às migrações, imigrações vindas de todos os lugares do Brasil”, afirma a professora Cristiane de Assis Portela, do Departamento de História da Universidade de Brasília (UnB) e coordenadora do projeto Outras Brasílias: ensino de história do DF a partir de fontes documentais.

Bailes

A tradição dos bailes de Carnaval ganhou força após a inauguração da nova capital, em 1960. A então prefeitura passou a promover a festa de Momo no Baile da Cidade, realizado no Hotel Nacional a partir de 1962. No mesmo ano, surgem as primeiras escolas de samba, com Unidos do Cruzeiro (hoje conhecida como Aruc), Brasil Moreno e outras.

Em 1967 surge o primeiro bloco de rua, um bloco de frevo conhecido como Vassourinhas de Brasília, que reverencia a cultura pernambucana. Anos depois, em 1978, veio o Pacotão, iniciando uma cultura marcada pelas típicas manifestações populares carnavalescas.

Pernambuco foi inspiração para blocos brasilienses

Pacotão, Baratona e Baratinha

Fundado por um grupo de jornalistas, o Pacotão é o bloco mais antigo da capital. O a pernambucano Luiz Lima, 85 anos, foi um dos precursores desse e de outros bloquinhos famosos do DF. Quando ele tinha 20 anos, veio a Brasília para trabalhar na construção civil, ajudando a erguer a cidade. Mas Luiz ficava indo e voltando para a cidade natal dele, pois sempre que chegava a época das festas, batia aquela saudade.

Alguns anos após a inauguração da cidade, Luiz decidiu que iria ficar na capital durante o Carnaval. “Já que não ia para Pernambuco, decidi trazer o frevo até o DF. Pensei na época: vou fazer um bloco tipo Pernambuco”, comenta. Ao lado de alguns colegas, ele foi um dos fundadores do Clube da Imprensa, no Setor de Clubes Esportivos Norte – destino final dos primeiros blocos de Brasília.

“Eu não fiz por mim, fiz para a população de Brasília. O Carnaval é uma coisa muito alegre, é para fazer todo mundo feliz como eu sou”
Luiz Lima, fundador de blocos como o Pacotão

O Pacotão foi criado como uma forma de satirizar a ditadura militar, o próprio nome sendo uma referência a um pacote de medidas que alterava as regras das eleições, conhecido como Pacote de Abril, criado em 1977 pelo então presidente da República, general Ernesto Geisel. O bloco saiu da concentração, na Entrequadra 302/303 Norte, e seguiu pela contramão da Avenida W3, em direção à 504 Sul, reunindo cerca de mil pessoas.

Três anos depois, chegou a vez do bloco Baratona, uma brincadeira com uma maratona de bares. Os foliões iam de bar em bar, começando em um barzinho localizado no começo da Asa Norte. Segundo recorda Luiz, a inspiração veio de uma festa que ocorria em 31 de dezembro, quando, após uma maratona de bares, quem estivesse com o maior teor alcoólico vencia.

A folia candanga hoje atrai gente de todas as idades

O jornalista descreve que os bloquinhos de rua saíam do bar puxados por um carrinho, que na verdade era uma caminhonete adaptada, carregando os “bêbados notáveis de Brasília”, conforme ele se refere à turma. “Eles ficavam na carroceria com cerveja e uísque, animando o pessoal. Era uma farra”, lembra.

Junto do Baratona, foi pensado um Carnaval em que as crianças pudessem ter um espaço para se divertir com a família. Assim nasceu o Baratinha, que distribuía refrigerante, sorvete e outras guloseimas para a população por meio dos patrocínios conseguidos pelos líderes dos blocos. O Baratinha existe há mais de 40 anos, e em mais de 30 edições foi realizado no Parque da Cidade.

Ao falar sobre o porquê de toda a mobilização para trazer o Carnaval para Brasília, Luiz ressalta: “Eu não fiz por mim, fiz para a população de Brasília. O Carnaval é uma coisa muito alegre, é para fazer todo mundo feliz como eu sou”.

Galinho de Brasília

“Brasília é um verdadeiro caldeirão cultural, e a energia do Carnaval pernambucano mexe com as pessoas”
Romildo Carvalho, presidente do Galinho de Brasília

Luiz Lima também foi um dos fundadores do Galinho de Brasília. Com 31 anos de história, o bloco apareceu em 1992, também pela ideia de um grupo de família e amigos que não pôde viajar para a terra natal no Nordeste e queria pular Carnaval.

O Galinho é inspirado no Galo da Madrugada, um tradicional bloco carnavalesco do Recife considerado o maior do mundo. No seu início, os foliões se instalavam no comércio das quadras 206 e 204 Sul.

De acordo com o presidente do Galinho de Brasília, Romildo de Carvalho Junior, as pessoas que vinham de fora para a construção de Brasília matavam a saudade de suas terras na Feira dos Estados, antes de o Carnaval se formar oficialmente no DF.

“Brasília é um verdadeiro caldeirão cultural, e a energia do Carnaval pernambucano mexe com as pessoas. Desde que eu tinha 12 anos, eu era fascinado. Viemos para agregar a cultura brasiliense. Então trouxemos frevo, passo e música. A função está sendo cumprida, o folião precisa de conforto e infraestrutura. O Galinho sempre deu um Carnaval tranquilo, é um bloco família. E nós representamos a cultura brasileira”, detalha o presidente.

Liga dos Blocos

A Liga dos Blocos se organizou em 1994, juntando os oito blocos existentes da cidade

Impulsionado pelos grandes Pacotão e Galinho, outros blocos compõem a história do Carnaval da capital federal, como os conhecidos Suvaco da Asa, Raparigueiros, Baratinha, Baratona, entre outros.

De acordo com o presidente da Liga dos Blocos, Paulo Henrique Nadiceo, a liga se organizou em 1994, juntando os oito blocos existentes da cidade. O objetivo era organizar o Carnaval em uma instituição, com os blocos tradicionais, como por exemplo o bloco Portadores da Alegria – voltado para pessoas com deficiência (PcDs).

“A importância da liga é dar uma continuidade da cultura popular brasileira. A nova geração é muito entretida com a parte digital, muitos saem para olhar o mundo só no Carnaval. Tem jovens hoje que nunca viram um maracatu, brincantes, artistas com perna de pau, ou mesmo tiveram contato com o frevo. O legado da liga é não deixar isso morrer nunca”, destaca Nadiceo.

25/01/2024 - #TBT: relembre a história dos blocos de Carnaval em Brasília

Fonte: Agência Brasília

- PUBLICIDADE -

Últimas

- PUBLICIDADE -

Continue Lendo
Relacionadas