17.6 C
Distrito Federal
sexta-feira, 23 julho, 2021 - 21:41 PM

Grupo apoia adolescentes com dificuldades relacionadas à sexualidade e gênero

Os encontros acontecem quinzenalmente, sempre às quartas-feiras à tarde

Lágrimas se misturam a sorrisos. Relatos tristes que são logo afagados por um abraço amigo. Histórias com contextos diferentes, mas com enredos que se assemelham. Assim é a atmosfera do Grupo da Diversidade, que ajuda adolescentes de 12 a 18 anos com dificuldades relacionadas à sexualidade e à identidade de gênero. A atividade é um dos braços do atendimento oferecido a este público dentro do Adolescentro.

Os encontros acontecem quinzenalmente, sempre às quartas-feiras à tarde, com duas horas de duração. A reunião é aberta, ou seja, não é preciso marcar consulta ou ter encaminhamento para participar.

Para muitos jovens, é um refúgio para os problemas enfrentados em casa, na escola, na sociedade. Para os profissionais, um método que ajuda a salvar vidas.

“Ninguém vem para o Adolescentro porque quer ser homossexual ou transgênero. Mas vem porque, em razão disso, passa por um sofrimento que pode levar à depressão, ideação suicida e automutilação”, observa a psicóloga da unidade, Paula Stein de Melo Sousa.

No encontro do Grupo da Diversidade, não é difícil encontrar adolescentes com marcas profundas próximas ao pulso e histórias de tentativa de suicídio.

“Minha mãe ora aceita minha opção sexual, ora não. Ela me trata diferente, não diz que me ama, me fala palavras duras e isso me machuca muito. Um dia, ela me tratou mal. Para completar, meu irmão veio e me bateu. Saí de casa com a roupa do corpo, descalça, com destino a uma passarela, de onde eu achei que me jogaria. Mas, no caminho, encontrei uma amiga da família que me deu um abraço e me levou para casa”, contou uma das meninas mais falantes do grupo.

MEDIAÇÃO – Além dos adolescentes, participam do grupo uma psicóloga, um médico e uma assistente social, que vão estimulando os jovens a fazerem relatos de suas experiências e avanços no processo de assumir a sexualidade ou a transição de gênero para a família e a sociedade.

O grupo tornou-se o centro deste atendimento, que conta, ainda, com consulta individuais e a participação da família. “A terapêutica a ser usada é avaliada caso a caso, e o adolescente tem participação na escolha do que será feito. Podemos começar conversando só com o adolescente, ou chamar primeiro a família, ou ir direto para o grupo”, destaca Paula Stein.

Entender o processo e enfrentar tudo sozinho pode ser mais complicado. “É difícil entender o que se passa dentro da gente e mais difícil ainda explicar isso para alguém. À minha volta, as pessoas acham que estou bem, mas eu sei que não estou”, disse um dos participantes, pela primeira vez no grupo.

A resposta da assistente social, Ana Miriam, foi enfática: “É possível melhorar sempre e resolver a situação. Procure ajuda. A gente quer trazer a família para conversar, contextualizar. E vocês precisam entender que, para os parentes mais próximos, essas mudanças também não são fáceis e ela precisa entender, assimilar”.

FAMÍLIA – Mas a compreensão da família nem sempre é fácil. Que o diga Clarisse*, 17 anos, uma menina trans que achava que era gay, mas no ano passado descobriu que gostava mesmo era de usar vestido, salto alto e maquiagem. O pai aceitou numa boa. Já a mãe… “Ela insiste em dizer que sou um menino, me chama pelo meu nome de registro. De tanto ficar mal quando estava com ela, acabei indo morar com meu pai”, conta.

A posição da menina é firme. “Lutei para trocar meu nome civil pelo nome social na escola e fazer com que os professores me chamassem de Clarisse* e se referissem a mim como uma menina mesmo. E consegui, inclusive, mudar o comportamento dos meus colegas de sala, que me apoiam e me defendem”, conta a jovem, que pretende estudar artes cênicas e teatro.

Firmeza, aliás, é algo que esses jovens precisam ter. “Depois de muito sofrer, decidi que quero ser feliz e viver”, disse Lucas Miguel Epaminondas, que logo que completou 18 anos, já trocou seus documentos e começou a fazer a transição com tratamento hormonal.

“Quatro meses de hormônio e não sou mais confundido com uma mulher e isso é muito bom”, comemora o jovem trans, que já aponta um bigode desejado por outros meninos trans participantes do grupo.

Mas chegar a esta conquista não tem sido fácil. “Meus pais não aceitam. E o pior é que preciso morar com eles. Passo a noite em claro, sofrendo com isso. Mas estou batalhando para mudar. Havia parado de estudar e agora voltei e quero fazer um curso técnico de enfermagem”, conta.

Para ele, a verdadeira família é o Grupo da Diversidade. “Tenho certeza que se não fosse por este grupo eu já teria me matado. Entrei aqui aos 16 anos, quando não entendia a minha vida. Fiquei dois anos sem estudar porque estava em depressão. Aqui consigo me expressar melhor e receber apoio”, conta Lucas.

O jovem trans relata que sempre se sentiu diferente das meninas da sua idade, mas a família era conservadora e ele não tinha liberdade para conversar. “A puberdade foi chegando e eu me olhava no espelho e não me reconhecia. Aos 11 anos eu já sabia o que eu não queria ser”, relembra Lucas.

ATENDIMENTO – O Grupo da Diversidade nasceu em 2015. De lá para cá, mais de 200 adolescentes já foram atendidos, sendo 26 em transição de gênero. “Desde o ano passado, aumentou a procura. No DF, somos o único serviço de saúde que oferece este atendimento”, conta a psicóloga.

Somente no último encontro, realizado em 13 de março, cerca de 25 jovens participaram da reunião, muitos deles indo pela primeira vez e convidados por adolescentes que já participam.

“Aqui não incentivamos ninguém a mudar a orientação sexual ou de gênero. Oferecemos atendimento profissional, com um grupo formado por médico de família, assistente social e psicólogo. Damos apoio a toda a rede envolvida com esta pessoa, como pais e escola”, explica o médico do grupo, Luiz Fernando Marques.

Para ser atendido, o adolescente pode ir, sozinho ou acompanhado por um responsável, ao Adolescentro, de segunda a sexta-feira (exceto terça pela manhã), para acolhimento. “É neste acolhimento que será dado o encaminhamento para a melhor terapêutica a ser utilizada”, explica Paula Stein.

São atendidos na unidade jovens entre 12 e 17 anos de idade. Ao completar 18 anos, ele é encaminhado ao Ambulatório Trans, localizado no Hospital Dia.

*Nome fictício por se tratar de menor.

Alline Martins, da Agência Saúde

 

Continue Lendo

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Redes Sociais

22,042FãsCurtir
0SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- PUBLICIDADE -

Últimas Notícias

- PUBLICIDADE -